O gosto pelo acordeão foi algo natural e foi esse o instrumento escolhido desde o inicio sem que ninguém a tivesse pressionado na escolha. Depois de várias apresentações na escola de música, com excelentes resultados, participou em vários concursos e festivais nos quais obteve sempre muito sucesso devido a isso não foi novidade quando Rosa Maria agarrou a carreira profissional de vocalista e acordeonista em vários tipos de festas.

A concretização do seu maior sonho surge em 2007 pela mão do compositor / produtor Páquito que a convida para gravar um álbum de originais e é nessa altura que a cantora adoptou o nome artístico “Rosinha”.

Desde ai nunca mais parou, em 2007 lança o seu 1º trabalho de originais com a Boca no pipo que chegou a disco de platina, em 2008 o seu 2º trabalho tem o nome de “ Ele só quer é Fruta”, em 2009 lança “ Eu levo no Pacote” cujo tema principal ainda utilizado nos dias de hoje em vários meios, em 2010 sai o seu 4º trabalho com o nome “ Eu Chupo “, em 2011 Quem põe a minhoca sou eu, no ano 2012 lança “Tenho um andar novo”, 2013 foi o ano do seu 7º trabalho “ Na minha panela não entra…”, em 2014 saiu, “Eu seguro no pincel”, no ano passado 2015 o seu 9º trabalho chamava-se “ Eu lavo a Ameijoa”.

É de salientar que todos os seus trabalhos têm sido galardoados sendo ela a única artista em Portugal a ter conseguido alcançar tal feito.

Está a ser editado pela País Real desde 2016 com “Eu Faço de coentrada” e em 2017 É de Gatas que eu Gosto, sempre com o seu género musical muito brejeiro/ popular que o público adora, 2018 não podia ser diferente e apresenta-nos … Eu descasco-lhe a banana…

Ganhando terrenos pelo mundo com os seus espectáculos, Rosinha é um nome bem conhecido dos vários meios de comunicação e do público de variada idade.

Em “ EU MEXO NOS TELHÕES DO MEU AMOR “ à semelhança dos anteriores trabalhos vamos encontrar temas que são inspirados em cenas simples do quotidiano.

Neste novo trabalho ROSINHA promete mais uma vez surpreender tanto a nível de interpretação como dos ritmos com que nos brinda, com títulos bem sugestivos tais como “Eu mexo nos telhões do meu amor ” que dá titulo ao álbum, “ Gosto quando ele vem à tona “ou ainda “ Meu amor tem muitos cornos “ entre outros, ROSINHA com o seu estilo brincalhão e a sua forma tão característica de brincar com as palavras, promete uma vez mais boa disposição e muita alegria.

A forma irreverente com que se apresenta em público misturada com o seu elevado nível de humildade e sensibilidade, fazem com que mantenha uma excelente e única, relação de cumplicidade com todos os seus seguidores que tanto a acarinham.

Seja em Portugal ou no estrangeiro ROSINHA e o seu inseparável acordeão são sinónimos de alegria, boa disposição e sobretudo muita diversão pois ROSINHA tem o dom de transformar as suas músicas em sorrisos e emoções.